O perigo de amar mais um filho do que ao outro
16/02/2016

7445

Por: Ev. João Wagner Ferreira - Escritor e Palestrante. Autor do Livro: Socorro! Minha família está em perigo.

“E Israel amava a José mais do que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica de várias cores. ” Gênesis 37:3

Quando os pais escolhem amar mais um filho do que o outro haverá grandes problemas. Na família de Jacó, o conflito entre os irmãos gerou graves consequências e sofrimentos. No momento em que os irmãos perceberam que o pai amava mais a José do que os outros irmãos, brotaram em seus corações um dos piores sentimentos que um ser humano é capaz de sentir: ódio; ao ponto de não conseguirem falar mais com ele sem demonstrar animosidade.

“Vendo, pois, seus irmãos que seu pai o amava mais do que a todos eles, odiaram-no, e não podiam falar com ele pacificamente. ” Gênesis 37:4

A culpa inicial não foi dos irmãos de José. Jacó demonstrava mais amor por José e os irmãos automaticamente percebiam. Inicialmente essa predileção gerou ciúmes, posteriormente inveja e, consequentemente, evoluiu para o ódio; sentimentos negativos que são como veneno o qual contamina a alma e o espírito. Vemos nessa família o grande perigo que o favoritismo e predileções por um filho pode causar.

Um conselho primordial que dou aos pais é para que possam criar seus filhos e enteados sem parcialidade e predileções. Não existem dois filhos completamente iguais, mesmo que sejam gêmeos é normal que um seja mais atraente para os pais do que o outro; que um seja mais obediente e carinhoso do que o outro. O amor deve ser igual; as recompensas pela obediência e o castigo pela rebeldia também devem ser iguais. Os pais devem ser justos; tanto nas recompensas quanto nos castigos. Os filhos percebem claramente isto.

É comum a existência de filhos mais obedientes, mais carinhosos e mais amáveis que outros; porém, é importante que os pais demonstrem atenção e amor de maneira igualitária sem demonstrações de favoritismo. O favoritismo gera grandes conflitos e animosidade entre os irmãos. É imprescindível tratar filhos adotivos ou enteados como filhos legítimos, do próprio sangue. Com o tempo, quem assim procede, poderá se surpreender de maneira maravilhosa ao descobrir que se sente mais próximo deles.

Diante desse assunto, é necessário que nós, pais, possamos refletir: estou tratando meus filhos com algum tipo de favoritismo, talvez até de forma inconsciente? Quais são os tipos de predileção ou favoritismo que estou demonstrando a meus filhos?

O maior exemplo de pai é o próprio Deus. Deus é um pai que não faz acepção de filhos. Veja o que diz o apostolo Paulo: “Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus. Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo. Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.” Gálatas 3:26-28

É claro que há filhos mais obedientes, mas o amor do Pai Celestial possui a mesma intensidade, a diferença estará na recompensa. A obediência gera benefícios e a rebeldia castigos.